Em Votorantim, número de passageiros de ônibus tem queda de 67% em um ano

Publicado por GSJ em

Desde que foi declarada oficialmente a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) pela OMS (Organização Mundial de Saúde), em 11 de março do ano passado, o Grupo São João registra, dia a dia, queda vertiginosa no número de passageiros que se utilizam do transporte público municipal de Votorantim. A baixa procura pelos serviços traz reflexos financeiros negativos à empresa que, mesmo deficitária, busca formas para se manter em atividade e preservar o emprego dos colaboradores.

Nesta semana, o Grupo São João fez um estudo que aponta diminuição em 67% na procura pelo transporte urbano que circula, exclusivamente, dentro de Votorantim. Na primeira quinzena de março de 2020, por exemplo, uma média de 23 passageiros por viagem usava os ônibus. Já nos primeiros 19 dias deste mês, foram registrados apenas 11 passageiros, o que comprova a queda acentuada.

Há outro detalhe: nestes dados não estão computados as viagens metropolitanas entre Votorantim e Sorocaba, que igualmente caíram. Além disso, cerca de 40% dos passageiros dos sistemas urbano e metropolitano são beneficiados ou pela gratuidade (contempla os idosos a partir de 65 anos e é aplicada na integração entre as linhas municipais e intermunicipais) ou com a meia-passagem (neste caso, os estudantes). Aos déficits operacionais já citados se somam ainda os aumentos relevantes nos insumos, com destaque para o óleo diesel e para as peças de manutenção dos veículos.

A crise gerada pela Covid-19, aliada às medidas restritivas e às normas de isolamento social, fez com que a maioria das pessoas parasse de utilizar o transporte público. Prova disso é que, conforme levantamento da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano, o setor foi um dos mais impactados e, até agora, já acumula prejuízos que chegam a quase R$ 12 bilhões. “A pandemia perdura há mais de um ano, trazendo diversos efeitos negativos e, até mesmo, nefastos em toda a estrutura social e econômica do país”, comenta o supervisor de operações e gestor de recursos humanos do Grupo São João, Rodrigo Fioravanti.

OFERTA É MANTIDA

A empresa entende que o serviço prestado é essencial e não deve ser interrompido, mesmo diante do aumento assustador da doença. Assim, mantém regularmente a oferta de ônibus em 100% das linhas em Votorantim. Para tanto, foi necessário adotar a tabela horária que antes era utilizada apenas aos sábados.

O gestor de operações do Grupo São João, Murillo Dalgles, ressalta que a regressão do Estado à fase especial do Plano SP de Controle à Covid-19 foi outro fator que obrigou a empresa a rever os horários de circulação dos ônibus. A nova tabela, que vigora desde segunda-feira (22), pode ser consultada pelos telefones (15) 3353-8522, (15) 3233-3044 ou pelo site www.gruposaojoao.com.br.

NÃO DÁ PARA COMPARAR

Recentemente, a Urbes – Trânsito e Transportes, empresa que opera o sistema público de Sorocaba, anunciou queda de 49% no número de passageiros. No entanto, Murillo Dalgles explica que não dá para comparar uma cidade à outra. “Em Sorocaba, pelo tempo que durar a pandemia, as empresas serão remuneradas por quilômetro rodado, fazendo com que o município assuma a responsabilidade pelo inevitável déficit entre o custo dos serviços e a receita que vem dos passageiros pagantes”, detalha. “A queda em Sorocaba só não é maior porque o Poder Público encontrou meios para executar e custear os serviços, subsidiando as operações deficitárias.”

E ele acrescenta: “Neste modelo em que o Executivo se preocupa e contribui com o distanciamento social da população que depende do transporte público, as empresas podem colocar em operação quantos ônibus a prefeitura determinar, independente do dia, linha ou horário”.

O gestor de operações do Grupo São João reforça que, em Votorantim, a realidade é diferente de Sorocaba e de outras cidades da região, pois a receita da empresa resulta, de forma exclusiva, dos passageiros transportados. “Ou seja, quanto menos pessoas dentro do ônibus, menos dinheiro em caixa. É isso que tem causado grande desequilíbrio e déficits constantes”, enfatiza.

Murillo Dalgles diz ainda que, em Sorocaba, a prefeitura é a responsável pela manutenção e pela segurança dos terminais, bem como pela estrutura de comercialização das passagens. Em Votorantim, essas tarefas, que constam em contrato, cabem todas ao Grupo São João. “Temos de arcar com os custos do Terminal João Souto Neto, o que inclui equipe de segurança e de limpeza, compra de produtos de higiene, materiais de consumo, como sabão líquido, papel higiênico e toalha, além da troca de vasos e de tampas sanitárias que, constantemente, são furtadas ou depredadas.”

DE OLHO NAS QUEIXAS

Conforme Rodrigo Fioravanti, a empresa tem ciência das queixas de alguns usuários, sendo a maioria se referindo a pouca oferta de ônibus para atender a determinadas linhas, principalmente nos chamados horários de pico – das 6h às 8h e das 16h às 18h.

Por outro lado, adianta que há equipes monitorando, diariamente, a operação. “Se identificamos a necessidade de reforçar esta ou aquela linha, fazemos isso imediatamente”, afirma. “Mas, passado o horário de pico, praticamente não temos mais movimento algum, seja no terminal, seja dentro dos ônibus.”

TRABALHA PELO PASSAGEIRO

Mesmo diante de tantas dificuldades, o Grupo São João segue zelando pelo bem-estar e pela saúde do passageiro. Prova disso é que os ônibus são higienizados, por dentro e por fora, assim como o terminal e os principais pontos de embarque e de desembarque.

Todos os veículos da frota estão equipados com frascos de álcool em gel 70% e os colaboradores, sobretudo os motoristas, têm a temperatura corporal aferida assim que chegam ao trabalho. “Nós estamos nos esforçando para fazer o melhor àqueles que se utilizam dos nossos serviços”, conclui Rodrigo Fioravanti.

Categorias: Geral

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *